Seja poderosa, sedutora e magnética

O Maior Portal de Cursos Online Para Mulheres do Brasil

A LIDERANÇA COMO ARMA DE SEDUÇÃO

SHARE
, / 3132 0

Amiga linda, tenho uma triste notícia para te dar. Apesar de você dizer que amaria ter uma pessoa que cuidasse 100% de você e que você respeitaria essa pessoa, veneraria essa pessoa e jamais iria querer sair dos braços dela, ficando com ela para o resto da vida, a verdade é que isso é só na teoria, porque na prática isso nunca se aplica a nenhuma parte, nem a homens nem a mulheres.

E tanto é verdade que sua mãe passou suas roupas, lavou, cozinhou pagou sua faculdade, cuidou de você nos dias em que você estava com febre, fez tudo por ti, disse que te amava, saiu em seu socorro, deixou da vida dela e pôs você em primeiro lugar e você, no fim, não deu o devido valor… Ao menos enquanto vivia sob o teto dela.

E mais, a mãe do homem que te interessa provavelmente também fez isso por ele e mesmo assim ele foi procurar outras mulheres na vida dele.

Acontece que tendemos a nos dessensibilizar diante das rotinas.

Então, o que quero te dizer é que ser seduzido por uma pessoa e escolher ficar com ela para sempre não tem nada a ver com suprimento das faltas e necessidades e tem tudo a ver com enxergar o outro como mais forte do que a si próprio. É isso que faz com que nos apaixonamos por uma pessoa, o fato de a ver maior do que a nós próprios e não porque ela cuida de nós.

Vou te explicar: A independência emocional é algo extremamente sedutor. Nosso cérebro reptiliano, tanto de homens como de mulheres sucumbem aos líderes e líderes natos, normalmente trazem consigo essa característica (independência emocional).

E qual seria a ideia que há por trás dos líderes? É a ideia de que eles são maiores do que nós, em algum sentido que admiramos, e que, portanto, não precisam de nós e sim nós que precisamos deles. Nós nos entregamos ao comando de pessoas assim porque, no fundo, gostamos de ser conduzidas.

Nossos corações não elegem os fracos para amarmos. Queremos estar com os fortes, casar com os fortes, irmos para a cama com os fortes. Os que detém nosso coração sempre são aqueles que acreditamos que são mais do que nós. E que tem algo que muitas vezes não temos, ou seja, a autossuficiência.

O número de pessoas autossuficientes neste planeta é reduzidíssimo, e são eles que nos seduzem. Geralmente são pessoas livres, que dizem o que pensam e que parecem não se importar com a crítica alheia ou com o fato de serem desaprovados.

Essa coragem misturada com a verdade que é derramada diante de todos quando eles abrem a boca enquanto muitos floreiam verdades evitando-a, insistindo em mantê-la velada, é o que faz com que vozes ecoem em espanto e admiração por pessoas autenticas e autossuficientes. E sabe porquê?

Porque de forma implícita o outro dá a entender que fala sem medo e que age da forma que quer e que não necessita da aprovação dos outros. E me diga amiga, quem age assim? Os líderes. Os líderes agem assim. Viu como os líderes roubam nossos corações. E a personalidade líder, ou seja, a personalidade autossuficiente, como você preferir chamar, rouba o coração também dos homens.

O tipo de independência mais importante de você ter e que deve vir antes mesmo da independência financeira, é a independência emocional. E para ser independente emocional você não pode ser carente, nem insegura, infantil, fraca, medrosa e mimada. Sabe porquê? Porque quando um homem está ao lado de uma mulher destas ele a sente como um peso e o peso deixa as pessoas angustiadas, sufocadas e então ele te neuroassocia a coisas ruins e logicamente tende a se afastar de você. Os homens não querem meninas, eles querem uma mulher de verdade!

Portanto, amiga, fique atenta e trabalhe o tanto quanto for possível a para atingir a tua independência emocional e isso não tem nada a ver com se tornar uma pessoa “fria”, mas sim, uma pessoa consciente de há vida após o adeus, ou o desapego em qualquer medida. CLIQUE AQUI nesse link, amiga, se quiser saber mais sobre como desenvolver a tua autonomia emocional.

Te aguardo…

Vanessa de Oliveira.